Por dentro de quase nada, mas querendo mostrar o que há dentro de mim. Meu nome é Fabiana e às vezes escrevo coisas.

04 junho 2007

Sobre o amor...


Tenho lido sobre o amor. E quanto mais conheço o amor, mais me sinto desprovida dele e necessitada de que Deus me ensine a amar verdadeiramente. A leitura, especificamente: Reduza-me ao amor (Joyce Meyer) - recomendo demais! Em meio a lições sobre os vários tipos de amor pelas mais variadas coisas e pessoas, Deus tem me falado intimamente sobre um amor específico - o amor pela Sua obra.

Todos aqueles que têm Deus no coração têm uma necessidade, ainda que latente, de transbordar de alguma forma o imenso amor que o Pai nos dá. Aí que surge a obra de Deus, as igrejas, os ministérios, os gestos mais simples, enfim, a demonstração concreta do efeito multiplicador que a multiforme graça de Deus tem em nossas vidas (ver I Pedro 4:10,11).

Deus tem colocado muitas coisas no meu coração e às vezes eu me pergunto se Ele não poderia me desdobrar em três pra cumprir todos os sonhos que Ele me dá. Deu-me o talento de dançar, seguido do dom de adorá-lo com tudo o que tenho. Colocou pessoas em minha vida para que eu pudesse cuidar de sua caminhada. Deu-me um coração missionário e hoje sonho em dizer pro mundo inteiro que JESUS É SALVADOOOOOR!

Existe uma faceta do amor muito importante quando se está trabalhando na obra de Deus - O AMOR É INCONDICIONAL. "Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 8:38,39). Infelizmente o amor do homem não é assim. Vivemos impondo mil e uma condições para amar as pessoas - num momento, amamos de paixão e abraçamos e mandamos mensagens; no outro, quando a pessoa demonstra uma de suas imperfeições comuns a todos nós, não ligamos, ignoramos e até distratamos.

Nos nossos ministérios não tem sido diferente. Nosso amor pela obra de Deus é, muitas vezes, totalmente condicional. Estamos lá caminhando, trabalhando para Deus, quando, de repente, alguém faz algo errado - o pastor fala algo que me desagrada, um irmão falta aos ensaios do ministério, minha opinião diverge da maioria ou da liderança. Pronto! Basta isso para querermos desistir, pro propósito de Deus em nossa vida sumir de nossa vista e nós deixarmos de lado o outrora tão sonhado ministério. Não estou acusando ninguém - EU sou assim. MEU amor tem sido instável, volúvel.

Temos que aprender a vencer ou mesmo conviver com aquilo que (e, por que não, "quem") nos desagrada, a fim de alcançarmos sinceridade no nosso amor em servir. Só assim seremos "[...] firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão [...]" (I Coríntios 15:58). Só hoje estou aprendendo a amar incondicionalmente. E peço sabedoria a Deus para honrá-lo através de meus ministérios, sem culpar as pessoas ou as circunstâncias.

Glória a Deus por mais essa lição!

4 comentários:

Jamile Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jamile Fernandes disse...

Entendo que amar o ministério independe também das paredes da igreja, por onde quer que eu vá, vou poder exercer meu ministério, isso só porque o Senhor está conosco.
Bênção pra mim esse texto Fabi, você sabe...

Jeska disse...

É muito difícil falar de amor.Amor mesmo,amor ágape.Amar é lei e quem ama vive na luz.
Que Deus possa nos encher cada dia mais com Seu Espírito pra que possamos ser completos em amor.Tenho muito o que aprender ainda sobre isso!
Amo voce, Fabi...

Gurgel disse...

Nós somos condicionados a criar condições. E somos muito contraditórios. Se o amor em essência é Deus, então ele obrigatoriamente é incondicional.

De alguma forma nós sempre queremos que o que fizemos seja restituido de alguma maneira.

Como se já não bastasse a graça de Deus que transborda incondicionalmente, não é?

Valeu pelo texto Fabi!